3 de janeiro de 2017

NOTA TÉCNICA

Por que o Parque Tecnológico é tão importante pra Vitória?

Durante décadas, a economia de Vitória foi sustentada pelas atividades portuárias de importação e exportação. Com o fim do Fundap, essa realidade mudou e a cidade perdeu mais de R$ 85 milhões em receitas anuais oriundas desse setor. Restaram as atividades industriais, o turismo de negócios e os serviços.

Como não tem como atrair grandes indústrias, por falta de áreas onde colocá-las, um dos caminhos mais rápidos e eficientes é o investimento em alta tecnologia. No mundo inteiro isso já está sendo feito. E o carro-chefe dessas mudanças são os parques tecnológicos. Se não investir em tecnologia, Vitória pode acabar virando uma cidade-dormitório.

Por isso o Parque Tecnológico é estratégico para a nossa cidade. É através dele que o município vai iniciar uma grande virada em seu modelo econômico, gerando emprego e renda para os moradores da cidade e também da Grande Vitória.

Como vai funcionar o Parque Tecnológico?

O Parque Tecnológico de Vitória é um espaço que vai oferecer condições privilegiadas para a criação, atração, instalação e desenvolvimento de empreendimentos inovadores nas vertentes tecnológica, social, ambiental e cultural. Empresas interessadas em participar do Parque serão selecionadas mediante editais públicos.

 

O perfil do empreendimento será definido pela Governança do Parque Tecnológico, instância administrativa que vai harmonizar a relação entre as empresas que se instalarão no local, os interesses do município e de todos os atores que se relacionarão com o empreendimento, inclusive a comunidade do seu entorno.

 

O que a cidade ganha com o Parque?

No mundo todo, os parques tecnológicos são um polo de desenvolvimento e de atração de investimentos, impulsionam o crescimento e fortalecem econômica e socialmente a região onde estão inseridos. Além disso, eles funcionam também como fortes geradores de emprego e renda para a comunidade local. E em Vitória não será diferente porque, para garantir o sucesso desse empreendimento o município contratou o Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras, a Fundação CERTI, uma das consultorias referência em estudos de viabilidade de parques tecnológicos mais importantes do mundo.

Vitória ganha mais empregos

Vitória vai ganhar, em oito anos, até 4,5 mil empregos. Em 20 anos a projeção é de que esse número chegue a 16 mil empregos gerados a partir do Parque Tecnológico.


 

O município amplia a receita e melhora os serviços

Nos quatro primeiros anos a previsão é de que o Parque Tecnológico gere R$ 213 milhões em faturamento tributável. Ou seja, serão mais recursos para a cidade e mais serviços públicos de qualidade.

Vitória ganha uma nova marca

O município vai ganhar uma nova marca e passará a ser reconhecido, nacional e internacionalmente, como uma cidade que investe no desenvolvimento sustentado, socialmente responsável e competitivo e também inserido na economia globalizada da Sociedade do Conhecimento.

 

Vitória será mais inteligente e humana

 

Onde o Parque Tecnológico será construído?

O Parque Tecnológico de Vitória será construído numa área de 332 mil metros quadrados. Essa área, próxima da Ufes e da Univix, e estrategicamente localizada próxima do Aeroporto Eurico Salles e da Rodovia 101, está reservada para o empreendimento desde meados da década de 1980.

O que a região de Goiabeiras ganha com o Parque?

O Parque Tecnológico vai se inserir na comunidade de Goiabeiras, contribuindo por meio das empresas de tecnologia e inovação para superar os problemas existentes na região. Assim, os moradores, as paneleiras, as universidades vizinhas, o meio ambiente, especialmente o manguezal, e todo o espaço urbano próximo, ganharão um parceiro estratégico altamente interessado em melhorar a qualidade de vida da região.

Áreas

O Parque será dividido em três grande áreas:

Área 1 – 134 mil metros quadrados destinados a laboratórios compartilhados pela Ufes e Ifes.

Área 2122 mil metros quadrados destinados ao Centro de Inovação (prédio em processo de construção). O Centro de Inovação terá 3,5 mil metros quadrados e vai abrigar a TEC Vitória além de 15 empresas de tecnologia e inovação selecionadas por editais públicos.

Área 375 mil metros quadrados destinados a empresas de produção de chips, robótica, nanotecnologia e afins.