Donos de quiosques abandonados poderão ter contratos rescindidos

Rafael Monteiro de Barros (Rádio CBN)

Devido ao abandono, os quiosques 5 e 7 estão sendo utilizados danificados, sujos e sendo utilizados como abrigo por moradores de rua e usuários de drogas

Quiosques da Praia de Camburi, que foram criados para ser uma alternativa de lazer para moradores e turistas, têm causado dor de cabeça para pessoas que vivem e transitam pelo local. Ouvintes da Rádio CBN reclamam do abandono das estruturas, que acabam virando local para festas e de moradia para a população de rua.

A reportagem esteve nos quiosques 5 e 7 e no antigo posto da Guarda Municipal e verificou que os quiosques estão fechados. Alguns, apresentam um forte cheiro de urina. A situação mais precária é a do antigo posto da Guarda, que tem janelas quebradas e uma parede quebrada, além de muita sujeira.

O servidor público Luiz Carlos Loureiro mora na Praia de Camburi em frente ao quiosque 5. Segundo o morador, no último sábado (26), um grupo de pessoas fez uma festa que durou até as 5h do domingo (27). Luiz alega que acionou a Polícia Militar e o Disque-Silêncio, que não apareceram no local. O servidor público fala da situação de forma indignada.

“A finalidade desses quiosques era a de vender produtos naturais, água de coco, atender bem a sociedade e os moradores adjacentes, porém, hoje, eles viraram boates. O quiosque está aí, abandonado, sem inquilinos e sendo invadido por vândalos e por andarilhos ”, disse.

Como os quiosques são de responsabilidade da Prefeitura de Vitória, A Companhia de Desenvolvimento de Vitória (CDV) foi procurada para se manifestar a respeito das reclamações dos moradores e de pessoas que circulam pela Praia de Camburi.

Por meio de nota, a CDV informou que o quiosque 5 está com contrato de concessão em vigor e que, portanto, a responsabilidade sobre o que acontece ali é do concessionário. Além disso, a CDV também alegou que, se confirmado o caso informado por Luiz Carlos Loureiro, essa não seria a primeira irregularidade cometida pelo concessionário e, por isso, a Companhia vai solicitar à Justiça a rescisão unilateral do contrato por descumprimento de diversas cláusulas.

Sobre o quiosque 7, a CDV informou que também será iniciado um processo de rescisão contratual por conta de inadimplência do concessionário. A respeito do antigo posto da Guarda Municipal, na orla do bairro Jardim Camburi, a Companhia apontou que o local está sob a administração da PMV, que está desenvolvendo um novo projeto de ocupação justamente para assegurar a segurança naquela região.